"Unteachable", by Leah Raeder/Elliot Wake

terça-feira, outubro 03, 2017



Acabei de ler este livro e senti vontade de escrever sobre ele. Certos livros nos deixam com um turbilhão de emoções, e são estranhamente um reflexo de algumas partes das nossas vidas. Este é um deles!

A Maise, que nos conta a sua história, é uma jovem de apenas 18 anos, porém com imensa maturidade. Tanto que rapazes da idade dela não são muito interessantes, ela prefere homens mais velhos. Então ela conhece Evan Wilke, enquanto ambos enfrentam um medo de infância: a montanha-russa! Mas essa montanha-russa, apesar de ser o começo de tudo, parece ser só o início de vários medos que são enfrentados, tanto juntos, quanto separados.

"There are moments, when you're getting to know someone, when you realize something deep and buried in you is deep and buried in them, too. It feels like meeting a stranger you've known your whole life", Maise O'Malley in Unteachable

Essa frase foi tão... apropriada! E definitivamente me identifiquei com ela. Foi a frase que a Maise disse quando conheceu o Evan, exatamente sobre ele.
Nesse dia, eles não sabem que em breve estarão juntos na mesma sala de aula: ela, como estudante; ele, como professor.

Contra todas as regras, eles acabam por ter um relacionamento escondido de todos. Todos os fins-de-semana, vão para outra cidade, para um apartamento que um amigo do Evan lhes cede por algum tempo. Eles até têm bastante cuidado, até ao dia em que uma moça que tem uma paixoneta pelo professor os vê na sala juntos... Não vê nada comprometedor, mas como ela tem muito interesse no professor, é mais observadora do que os outros colegas e desconfia.
Para piorar, o Wesley, supostamente amigo da Maise, mas que para mim é um creepy stalker, filma os dois em várias ocasiões, e junta tudo num filme que - guess what! - apresenta para toda a turma no projeto de final do semestre!!! Não se vê claramente que são eles, mas a outra aluna que já desconfiava, teve a sua confirmação.

Depois disso, uma série de coisas se desenrolam: Evan vai dar aulas para outra escola, os dois ficam separados por um tempo, enfim... Dizer mais seria dar muitos spoilers.
Este livro revelou ser melhor do que eu esperava, de início. Gostei da forma como eles lidaram com as coisas de forma tão adulta, como eles não tinham aquelas brigas infantis e só se separaram quando foi realmente inevitável. Como aproveitaram cada momento juntos, e não deixaram que a diferença de idades fosse motivo para os separar. Como ambos, principalmente a Maise, lutaram para dar certo, até ao fim. E sei que pode parecer errado, professor e aluna (!!), mas tudo começou quando eles eram apenas duas pessoas numa montanha-russa, ainda dois estranhos.
O final foi perfeito! Ficou, de certo modo, em aberto, mas quem prestou atenção em como eles se conheceram, vai entender totalmente o que aconteceu.

Frases favoritas (estão em inglês, porque li em inglês):

"(...) the thought of how much happiness lay scattered across the universe, unrealized, in fragments, waiting for the right twist of fate to bring it together."

"It wasn't about flirting with death (...). It was about wanting to live all the way to the seams of life."

"Who fixes broken people? Is it only other broken people, ones who've already been ruined? And do we need to be fixed? It was the messiness and hurt in our pasts that drove us, and that same hurt connected us at a subdermal level, the kind of scars written so deeply in your cells that you can't even see them anymore, only recognize them in someone else."

A mãe do Wesley diz, aconselhando Maise, que não devemos colocar as nossas vidas em espera por causa de outra pessoa. Mas eu diria que isso depende do ponto de vista: que vida queremos ter? o quanto essa pessoa nos faz felizes? E, por fim, será que lutar e esperar por alguém importante para nós é realmente colocar a nossa vida em espera? Enfim, este livro fez-me pensar em tantas coisas, por tantas perspetivas, e também me fez chegar a algumas conclusões: a vida é feita de escolhas, e devemos pensá-las muito bem, mas arrependimento é perda de tempo a não ser que nos leve a fazer uma escolha melhor no futuro.

No fim do livro, descobri que o autor é transgênero (era mulher, agora é homem), por isso o nome no título (ele escreveu este livro ainda como Leah Raeder, mas no ano passado iniciou a mudança para Elliot Wake).
Super recomendo este livro!!

You Might Also Like

1 comentários

  1. Não conhecia esse livro, mas pelo que dizes parece ser interessante! :) Beijinhos
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir

Obrigada pela tua opinião. Ela é muito importante!

Subscribe