13 Reasons Why

domingo, abril 23, 2017


Devem estar a pensar: "oh não, mais um post sobre essa série...", e com razão, afinal é a série "do momento" e quase toda a gente assistiu, logo quase toda a gente tem algo a dizer sobre ela. Mas este vem com um tom um pouco pessoal, e é escrito por mim, que li o livro há dois anos atrás e, como tal, já conheço a história há muito tempo. Vê-la ser adaptada para uma série deixou-me numa curiosidade enorme. Queria tê-la visto em menos tempo, porém o tempo é escasso, então demorei cerca de uma semana para terminar.
(Atenção, tem spoilers!!)

Há dois anos atrás, ao ler o livro escrito por Jay Asher, não consegui evitar identificar-me com ele em diversos pontos. Não quero com isto dizer que estive a ponto de cometer alguma loucura estilo Hannah Baker, mas sofri muito do que ela sofreu. E as palavras, os atos, os gestos, a passividade, tudo isso dói. Hannah foi sofrendo cada vez mais, foi o efeito bola de neve que a levou a fazer o que fez. Há quem possa não compreender por que motivo terminar uma amizade ou fazer uma lista idiota pode levar outra pessoa ao suicídio, mas o que se deve enfatizar aqui é esse efeito bola de neve - como Hannah diz na série: "it's one thing on top of another".

Uma pessoa que eu penso que não deveria estar nas cassetes é o Zach Dempsey. Essa personagem é das minhas favoritas, pois sinto que ele estava genuinamente interessado em estar com Hannah e foi super compreensivo quando Marcus foi um idiota. Digamos que ela não foi muito agradável com Zach, e ele de certa forma reagiu da mesma forma que Hannah ao gravar as cassetes: quis vingar-se por estar magoado.

Sheri é uma personagem que acredito ter agido por impulso e medo. Apesar de o que ela fez ser grave, arrependeu-se e decidiu ajudar a família que sofreu as consequências do erro dela.

Por outro lado, Bryce parece ter sido o causador de quase todos os problemas de Hannah, direta ou indiretamente. Tudo o que ele faz parece ter sempre alguma intenção maldosa por trás.

Acho que Clay deveria ser a pessoa que mais transmite diferentes emoções no decorrer da história, e por isso o ator ficou aquém das minhas expectativas... Esperava que a expressão facial fosse menos monótona.

No geral, a série parece-me ótima, sem "frescura", mostra tudo bem explicitamente, e conscientiza para um problema que é mais frequente do que deveria. Eu identifiquei-me porque já fui a Hannah, já tive que passar por quase tudo o que ela passou. Já fui a boa amiga que fazia tudo o que podia pela outra pessoa, só para depois ser trocada por um grupo de raparigas que não se importavam realmente com ela. Já fui a menina cujo nome esteve nas listas feitas por adolescentes sem noção. Já fui invisível e também já fui visível apenas quando era alvo de chacota. Enfim, assim como Hannah tenta recorrer a Mr. Porter, também eu tentei recorrer a outros "Mr. Porters" com quem me deparei, mas nenhum deles realmente fez diferença. Mesmo com os acontecimentos que se davam perante os olhos dessas pessoas, ninguém se importava o suficiente.

Quando eu própria já começava a não ter o discernimento de saber o que era bom ou não para mim, apareceu a minha razão para eu ter ultrapassado essa fase. Hoje, estou aqui e estou bem. Hoje sei que tomar medidas drásticas não é a solução, que devemos sempre tornar os obstáculos com que nos deparamos em escadas para subir na vida, em lições de vida. Estou num país que não é meu, mas onde me sinto em casa. Na universidade, fazem brincadeiras sobre o meu sotaque, a minha origem, a minha nacionalidade... Mas há uma diferença: nunca falta o respeito! Todos sabem até onde podem ir, e eu sei que também posso alinhar na brincadeira, sem que ninguém se sinta mal, pois não existe maldade ou desrespeito - existem brincadeiras saudáveis e, acreditem, é muito fácil perceber a diferença, porque isso sente-se. Não quer dizer que todos sejam meus amigos, mas posso conversar com todos sabendo que não vai ser o começo de uma bola de neve. Se for, não me incomodo mais em perder o meu tempo com essa pessoa.

Se eu já fui uma das razões? Posso ter sido, mas nunca de propósito. Por ter sofrido, não desejo o mesmo a ninguém.

Já vi opiniões que criticam o fato de a série ser tão explícita a ponto de mostrar tão detalhadamente o suicídio e outras cenas chocantes. Essas opiniões baseiam-se na influência que isso possa ter em quem já tem esse tipo de pensamento. Eu discordo, pois acredito que suavizar também não vai ajudar, e o fato de ser explícito é feito para chocar, para que a pessoa reflita e pense: "será que eu quero mesmo acabar assim?". Sim, poderiam ter sido exploradas formas alternativas de lidar com o que Hannah passou (poderiam fazê-lo em uma segunda temporada), e isso é um ponto fraco, mas de resto parece-me uma boa série.

Ah, vamos falar da banda sonora, shall we? Que maravilha quando ouço "Joy Division" no carro do Tony! Pensei logo: "se o resto da banda sonora for deste género, vai ser fantástico!". E acho que o meu desejo se concretizou. The Cure! Chromatics! Echo and the Bunnymen! Que delícia... Vou fazer uma playlist "13 RW" com todas essas músicas.

Tenho noção de que revelei bastante sobre mim, mas precisava ser autêntica para explicar o porquê de tanto me identificar com a série/livro. Espero que assistam esta série, pois vale a pena. Mesmo que não se identifiquem, será um exercício de se colocar no lugar de outras pessoas.

You Might Also Like

6 comentários

  1. Já vi a série e adorei e também eu sei o que é sofrer nas mãos dos outros. Felizmente também dei a volta por cima tal como tu! :) Beijinhos
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  2. Devo ser das poucas pessoas que ainda não vi a série :)
    Beijinho, Kati

    www.katiantunes.com

    ResponderExcluir
  3. Vi a série e adorei, confesso que também ando a pensar fazer um post sobre ela.. :)

    ResponderExcluir
  4. adorei a série apesar de nunca ter passado por nada do que a Hannah passou, tocou-me imenso a história! x

    E. ♥ Meet me for Breakfast

    ResponderExcluir
  5. Vi a série e li o livro. A série esta muito bem realizada, a banda sonora é incrível e o grupo de actores nem fofinho. Mas fiquei com tantas questões pendentes. A personagem da Hannah sofreu imensas coisas mas como tudo nos foi apresentado, transparece também um a pessoa sem grande direcção. Como disseste, a atitude dela perante o Zach é ridícula e não falemos do silêncio face à Jessica.
    Não acho que as cenas explicitas sejam gratuitas, acredito que dão densidade à série, mas a personagem da Hannah deixou-me num conflito enorme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acredito que ela própria está num conflito consigo mesma, daí essa dificuldade em entendê-la. Acho que ela está mentalmente muito debilitada e as suas atitudes, por vezes, carecem de coerência e lógica. É claro que continuo a achar algumas das suas atitudes ridículas, e talvez ela ainda as tivesse mesmo sem ter passado por todas aquelas situações, mas acho que é uma forma de tentar entender pelo menos um pouco do seu comportamento.

      Excluir

Obrigada pela tua opinião. Ela é muito importante!

Subscribe