Pós-parto e primeiro mês

sábado, dezembro 10, 2016

Somos nós a passear na kangaroo-hoodie que ela tanto gosta

Já relatei o meu parto no post anterior, e mencionei que o pós-parto foi mais complicado. É exatamente sobre esse assunto que me vou aprofundar aqui.

Os primeiros dias foram desgastantes por diversos motivos: já não tinha dormido quase nada na última noite de gravidez (deveria mesmo ter aproveitado), ela acordava de 2 em 2 horas para mamar (o que é normal), tinha muitas dores na zona dos pontos e mal conseguia andar, mas o pior de tudo era o "entra-e-sai" de gente naquele quarto de maternidade. Desde enfermeiras, médicos, até estudantes de medicina que queriam saber a história da minha gravidez... Eu estava ansiosa por ir para casa. No primeiro dia, não estava muito incomodada, mas no segundo eu não aguentava mais. As enfermeiras mudavam de turno para turno e a maioria contradizia-se: se a enfermeira do turno anterior dizia para fazer algo de certa forma, a do turno seguinte já dizia exatamente o contrário; era suposto eu acreditar em quem, afinal? Houve uma única enfermeira a quem eu estou muito grata, esteve sempre lá, explicou tudo com calma e ajudou-me muito nas dificuldades. Por falar em dificuldades, eu tive algumas na amamentação e ainda hoje não consigo perceber porquê. A Emma mamava bem, mas de vez em quando largava a mama e não conseguia que ela voltasse a fazer a pega correta, mesmo que ela parecesse desesperada à procura de mais. Em consequência, ela chorava muito e eu não sabia mesmo o que fazer. Felizmente, como a enfermeira que mencionei disse que aconteceria, melhorou com o tempo. Não imaginam como fiquei feliz no dia em que vim embora para casa.

Já em casa, só nos primeiros dias é que as coisas correram melhor. Quando ela completou duas semanas de vida, começaram os choros sem explicação e querer mamar a toda a hora. Comprei dois remédios para as cólicas, mas não parecia ter resultado e ela só acalmava na mama. Eu demorei a entender o motivo, mas acho que ela simplesmente mama para adormecer e não apenas para comer. Além disso, não gosta de chupeta, o que torna as coisas mais complicadas. Acho que tem vindo a melhorar e até já chegou a dormir 5 horas seguidas, mas ainda há dias em que não consigo que pare de chorar.

Neste primeiro mês, infelizmente, tive de lidar com o que se chama de "baby blues". O pior desse problema é sentir-se triste enquanto se tem todos os motivos para estar feliz. Acho que é tudo junto: as hormonas, as opiniões não solicitadas, o sono interrompido...Também melhorou agora que ela já fez um mês.

Agora que já falei das coisas menos boas de ser mãe, e como não gosto muito de me queixar demais, venham os aspetos positivos!

É maravilhoso! Uma sensação inexplicável... Aprendi a cuidar dela mais depressa do que imaginava, acho que com amor tudo se consegue. Ao mesmo tempo que quero habituá-la a não dormir sempre no colo, quando a deixo no berço ou outro lugar tenho vontade de lhe pegar ao colo novamente. Enquanto quero que ela durma um pouco mais, não vejo a hora de ela acordar para poder brincar com ela. Acho que sou uma mãe "bipolar"... Também sou uma mãe muito independente: gosto de fazer as coisas à minha maneira e detesto quando me dizem o que fazer, afinal a filha é minha e a única pessoa, além de mim, que pode tomar decisões em relação a ela é o pai dela. De resto, aceito sugestões e opiniões, mas sou eu ou o pai quem tem a última palavra. Já por isso, raramente peço ajuda para cuidar dela. E, acreditem, na gravidez eu nunca imaginei que seria assim; parece mesmo que descobri outra versão de mim.

Ela é mesmo um amor e parecidíssima com o pai. Amo tirar fotos dela de todos os ângulos e posições. Já se ri bastante e continua a querer mamar muito, mas durante a noite só acorda de 3 em 3 horas, às vezes 4 ou 5, para comer e adormece logo a seguir, isto até por volta das 9/10 horas. Adora passear, principalmente dentro de um casaco que eu comprei que dá para levá-la dentro dele: adormece pouco tempo depois e não acorda a não ser que tenha fome. Por fim, ela tem ganho peso muito bem, cerca de 30 a 40g por dia, e já chegou a ganhar 48g; é uma bochechuda!

Hoje o post é grande, mas não há palavras suficientes para descrever esta experiência. É difícil, é cansativo? Sim, mas vale tanto a pena! O tempo passa tão depressa, então o melhor é aproveitar esta fase ao máximo e ser feliz. E sou feliz e sortuda porque tenho um tesouro que dinheiro nenhum pagaria!

You Might Also Like

4 comentários

  1. Adorei ler mais sobre como esta a ser a maternidade para ti. Deve estar a ser maravilhoso, apesar das coisas negativas no fim tudo vale a pena. Eu confesso que o que mais tenho medo é de não conseguir amamentar, pois é algo que quero muito, mas como a minha mãe nunca conseguiu tenho medo de passar pelo mesmo. Espero continuar a ver as novidades por aqui, e aproveita cada momento com a tua pequena, eles crescem tão rápido.

    ResponderExcluir
  2. Imagino que esses primeiro tempos sejam mesmo difíceis, ainda bem que já recuperaste e que agora as coisas correm melhor! :) Adorei ler a tua vivência, ajuda os outros a perceber melhor como as coisas se processam. :) Beijinhos
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  3. No outro dia li uma coisa no Facebook sobre as visitas na altura do nascimento dos bebés. E sem dúvida que deviam haver regras restritas para as visitas.
    Ainda bem que está tudo a correr bem :D aproveitem bem

    ResponderExcluir
  4. Estive alguns dias (mais meses) sem visitar blogs por falta de tempo mas não podia deixar de me "atualizar" em relação à tua menina. Antes acompanhava tudo muito de perto e agora já pude por-me a par de tudo. Não consigo imaginar o cansaço dos primeiros dias e o quão complicado deve ser criar uma rotina, por menos estruturada que ela seja. Mas com amor tudo se consegue e com o crescimento dela as coisas estão a melhorar e assim continuarão. Desejo-te tudo de bom e as maiores felicidades nesta etapa tão bonita!

    With love, Miss Melfe

    ResponderExcluir

Obrigada pela tua opinião. Ela é muito importante!

Subscribe